terça-feira, 12 de outubro de 2010

Sou...



Eu sou o singular e o plural
Sou o amor de fundo de quintal
Criança pobre que sonha com o natal
Sou o real e a realidade virtual

Sou a indecência e a pureza
Sou a feiúra e a beleza
Sou as folhas de outono secas
Sou o brilho da lua cheia

Um eterno admirador da lua
Da verdade nua e crua
Do por do sol beijando o mar
Da brisa do vento a me tocar

Pensador nato do amor
Eterno sofredor da dor
Criado eterno da paixão
Sou o tumulo e o caixão

Sou o amor dos anjos
Os pecados dos demônios
Sou o presente e o destino
Sou o vacilo e o instinto
Sou a lágrima e o sorriso...

2 comentários:

  1. Mas cadê você que não aparece pow! MSN?
    Morreu?

    ResponderExcluir
  2. gostei do contraste. antítese deu ao poema um certo ritmo gostoso de se ler.

    ResponderExcluir

Diga com coração e sinceridade o que achou! :)