sábado, 28 de dezembro de 2013

Lendo, eu escrevo...

Um caminhar, uma inspiração, tentar achar alguma razão,
Mas como achar uma razão, quando só se segue o coração?
Sensação, delirar é uma emoção, sem sentido, sem permissão,
Vou pensando, escrevendo primeiramente sem as minhas mãos.

Mais uma sensação, estar apaixonado é confusa atormentação,
Apaixonei-me pela vida e ela trouxe-me a escrita, pecados, heresia,
Enfim, religião nunca foi meu forte, mas minha fé é que me da sorte,
Sentindo sem sentido algum, não escolhi, já cresceu em mim, sou mais um.

Tudo que quero, não é tanto querer e sim conseguir ser um melhor ser,
A vida te da, mas ela te cobra, pode ser doce, mas também venenosa,
No fim, tudo foi um começo, um ciclo de desespero, para achar apego,
Sozinho, sou poeta, em conjunto sou maluco, mistura de todos os mundos.

Humildade, não vale nada se não tiver verdade, a poesia também é vaidade,
Quando se faz com sinceridade, chama a atenção, se iguala a varias mentalidades,
Não me sinto bom, muito menos bem, escrevo para dizer que a vida me leva ao além,
Um maluco que é ancestral, um ser astral, parte do universo, do bem e do mal...

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Se tudo fosse amor...

Ah, se a vida fosse só amor, eu, você, e um cobertor,
Noites frias, mas com o calor do tão procurado amor,
Mãos deslizando, querendo alcançar em ti, outro plano,
Pensamentos insanos, mas com amor sempre te desejando.

Instantâneo, um poeta alucinando, pelo teu amor procurando,
De tudo um pouco pensando, mas sempre teu amor respirando,
Talvez eu não te tenha, talvez nunca eu te tenha e isso não me contenta,
E a minha mente sempre tenta te conquistar, mas a tua não deixa.

Ansiedade eu tenho, mesmo sem poder te tocar, realmente te amar,
Faço de tudo por ti, se minha doce amada assim desejar, enjoo de falar,
Mas minha mente não para de pensar, em te tocar, junto a ti se misturar,
Como água, sal, e areia do mar, não me dói muito querer contigo sonhar.

Quem disse que o amor tem só bom sabor? O amor também provoca dor,
Saudade, eu sinto sempre, nunca te tive, mas, você não sai da minha mente,
Escrevo para ti, o que o meu coração sente, mesmo quando ele fica doente,
Tento criar pensamentos positivos, mas o amor e a dor sempre batem de frente... 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Asas

Uma asa é tudo que me resta, ah, minha bela
Às onze e meia da noite te fazendo promessas,
Nada mais me interessa, é tudo a mesma merda,
Tranquilidade é o baseado que a agilidade aperta.

Em minha mente tu és bela, e eu somente a fera,
Um simples poeta, a loucura em pessoa, eu atoa,
Escrevendo para que tu me escolhas, bela moça,
Senhorita, senhora, doutora de todas minhas horas.

Estou me recuperando de incansáveis sonhos longos,
Paixão é ditongo, eu e você nas mesmas silabas, sinta,
Nem tudo é como digo, muito menos como eu sinto,
Mas se pensar em mim, o mundo não fica tão promiscuo.

Novamente digo, tanto penso que quase te sinto,
Escrevo ao tempo, pois ele é meu amigo, companheiro distinto,
Como doses de vinho tinto, que realça a destreza do instinto,
Aos poucos vou dizendo o que sinto, amor eterno, amor convicto... 

"Feliz infelicidade"


Não vou mais, quando fui, tive que voltar,
Enlouqueci por ti, pirei, fiquei triste, sorri,
Quando eu quis, você não me quis, menti,
Quase consegui, mas no final eu me iludi.

Confuso como sempre, chegou até aqui,
De novo, um ano novo que se torna velho,
Ranzinza, dia cinza, o palhaço que satiriza,
Velhos momentos que o amor conquista.

Poesia, um idiota que gosta de rimas, sim, ria
Sou eu, tão eu, quem me inspira é a maresia
Alguém que já sonhei, esqueceu-se do que eu sentia,
Enfim, termino sempre em poesia, me sinta, reflita.

Acabou, nem começou, o inicio do fim se iniciou,
Confusamente, a mente já não mente, só sente,
Então, eternamente, vou ser semente envolvente,
Crescerei mais, viverei menos, abusarei dos sentimentos...


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Te leio...

Amor e desejo, sentimento de apego,
amor de muito em tão pouco tempo,
Já senti teus lábios sem te dar um beijo,
imaginação que voa a favor do vento.

Pensamentos, até que canso e adormeço,
durmo e sonho, acordo e sonho, é o preço,
sem ter você quase enlouqueço, é intenso,
ah, Deus?! Já estou farto de tantos devaneios.

Faço de meu belo sonho a mais pura realidade,
por eu não poder estar perto, me sinto um covarde,
ao mesmo tempo, crio coragem para te ter de verdade,
meu coração versa para você, toda essa minha intensidade.

Amor que explode no coração, bomba de uma só sensação,
sem maldade, em versos te mostro toda essa minha intenção,
nenhum ser humano é perfeito, mas, no amor há perfeição,
se há verdade no sentimento, se há sinceridade no coração... 

sábado, 14 de dezembro de 2013

Venha, eu não desisto...

Sentir os pés na terra, seja ela, branca, vermelha, ou preta,
o amor pode explodir com apenas o calor de uma centelha,
a felicidade tem sabor de uma bela sobremesa, em nova ceia,
a tristeza é companheira, amiga do poeta, sempre a mais bela.

Hoje não sou nada, amanhã continuarei sendo, sedento de desejo,
imortalizarei sentimentos com a escrita, procurando a terra mítica,
paraíso de poesia, uma mente que não menti é eternamente viva,
venha comigo, eu sou a maresia, mare baixa e alta de nostalgia.

Ah, a alegria é tão simples, um sorriso é gerado com um simples deslize,
seja ele, mental, com o toque das mãos, ou com a ponta da língua,
venha comigo e sinta, todo o poder de simples palavras rítmicas,
palavras não são atitudes físicas, mas se transformam, se materializam.

Um dia vou escrever até que meus dedos queimem, e renasçam das cinzas,
pra provar para mim e para você, que tudo o que desejas será teu, basta crer,
vamos nessa, na outra, ou em todas, descobrir por que eu sinto tudo isso?!
talvez por ti, eu escreva um livro, sobre o amor que por ti eu sinto, plausível.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Meu simples jeito de amar...

Escolhi as mais belas palavras para oferecer a ti,
a palavra distancia, insistia em mente se repetir,
então, assim, quando escrevi, resolvi só sentir,
pensei em tudo que há de bom, como o teu sorrir.

Sou eu, criança, até que morra de velhice a esperança,
poeto para o incerto, que o destino traga-me mais versos,
que poder e força eu transmita, o amor de forma clara e nítida,
sinta, se puder escolher, que escolha essa minha simples vida.

Posso tentar e não conseguir, mas mesmo assim, arrisco até o fim,
entenda o que há dentro de mim, minhas rimas são para te sentir,
talvez assim, consiga eu te transmitir, tudo que o universo nos faz adquirir,
poesia para viver, poesias para você, tudo para conquistar o que quero ter.

Cuidar eternamente do que o amor possa trazer, ter um amor só, um só querer,
a ti ofereço meus pensamentos, quem sabe um dia eles cheguem ao seu leito,
e te faça ver que o amor é como um brinquedo, se não cuidar, estraga, se quebra,
com isso a tragédia se revela, meu amor não é novela, é de forma bela, sincera... 

domingo, 17 de novembro de 2013

A mutação do amor...


Ah, como eu gostaria que o amor fosse só o sentir,
nada mais, nada complicado, nada mundano, nada comprado,
ah, como eu queria que meu silencio fosse sempre calado,
nem isso eu consigo, eu sofro, mas mesmo assim, permaneço sorrindo.

Faço tudo por instinto, sem explicação e sem nenhum compromisso,
apenas sinto e transmito, tudo aquilo que em meu coração é explicito,
seja amor, seja sexo, ou um simples delírio, meu desejo é distinto
como um bom vinho envelhecido, embriagado de pensamentos, eu fico.

Entorpeço-me com naturalidade, do natural tiro inspiração e crio arte,
tu vieste ao meu pensamento, sem eu querer em ti pensar, talvez faça parte,
talvez seja um pouco tarde, mas isso, vou deixar com o destino, é ele quem sabe,
Não sei como é, mas sinto como pode ser, assim vou aprendendo a mentalmente crescer.

Ah, seria tão justo viver em um mundo, onde a aparência não significasse tudo,
eu vejo um belo mundo, contaminado pelo dinheiro sujo, a futilidade em alta, absurdo,
mesmo assim, ainda te vejo, mesmo aqui não te tendo, fico perdido o dia inteiro,
com você no pensamento, me salva e me liberta, faz me sentir leve como o vento...

domingo, 10 de novembro de 2013

De sonhos e conversas...


Sou imperfeito, suspeito, como todo ser humano,
quem será o não falho dentre os mortais? Julgais?
pensar é tão bom, é o dom de estar vivo, eu sinto,
escrevo, mas, mesmo assim com você não me alinho.

Sou diferente, sou homem, sou menino, não vou escrever difícil,
não vou forçar o raciocínio, vou de jeito simples transmitir o que sinto,
se entender o que digo, garanto que, tão confuso quanto o meu,
pode ser teu destino, diferentes caminhos, que se cruzam sozinhos.

Poderia eu, ter um dicionário estudado, pra fazer poesia de grau elevado,
mas não uso jogos arbitrários, mostro de modo sincero a poesia que faço,
danem-se os sinais linguísticos, humildade em comunicação, mais verdade no coração,
é estranho prestar atenção, em uma estética corrompida e cheia de armação.

Sociedade, nação, países, cidades, tanto faz os rótulos, somos feito da mesma genética,
não interessa a química e a física, pra perceber que é tudo matéria, tudo a mesma merda,
ignorância, ócio, vaidade, luxuria, sentimentos que em excesso podem levar à loucura,
controlar os sentimentos é a cura, a base da vida esta dentro de nós, tenha desenvoltura... 

domingo, 3 de novembro de 2013

Aprenda com o medo, assim me falou o destino...

Admiração pela ação, de quem tem coragem e bondade no coração,
eu sinto e sem querer transmito, necessito de um pouco disso, amigo,
não quero nada, não quero ser nada, quero só viver minha vida com calma,
a alma que finalmente salta, para o além do físico, de tal vinculo metafisico.

Perco-me e me encontro quando estou sozinho, a solidão ensina o caminho,
para encontrar nosso verdadeiro destino, que, de totalmente louco, se torna divino,
a vontade de viver esses momentos, causa angustia, medo de ficar em um eco vazio,
por isso alimento a alma, entendo que mesmo  querendo, não é pra todos que vai fazer falta.

Nunca estamos parados, sempre somos alimentados, é só querer enxergar tais fatos,
que mesmo eu estando alucinado, o meu destino cria versos e prepara os próximos atos,
artista na escrita, misturo com os piores sentimentos, transformo tudo em poesia na rima,
melodia não auditiva, se tiver uma boa leitura e usar conjectura, entendera minhas murmuras.

Levo um tempo, mas sem apego, pois, quando se passa o tempo vejo o que ganho e perco.
A vida é um perfeito calculo matemático, nunca fui bom nisso, mas sou magico do bom senso,
tento viver de modo simples, com aconchego, com verdadeiros sentimentos, por isso, escrevo,
eu tento e erro, nada demais, é o risco que se corre para chegar na parte do; “Vai dar tudo certo”.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Alguns instantes antes de dormir...

Eu e a excitação do sonhar, pude te sentir só com o poder do imaginar.
Beijar suas costas, apertar tuas nádegas com as mãos do próprio desejo,
delinear teu corpo mentalmente , fazer meu sonho alcançar teus pensamentos.
Da onde vem essa vontade louca de fazer amor contigo por um dia inteiro?

Mesmo acordado, sonho contigo de olhos abertos, novamente eu fico excitado.
Tento não demonstrar insanidade diante de tais alucinados fatos, sou pecador exilado,
Exilei-me em pensamentos, em sonhos, mato meus anseios, desejos fortes, daqueles
que quase da pra sentir o gosto, sentir o cheiro, por favor Universo, aceite meus versos.

Pecarei em palavras, mas primeiro em mente, se for assim, prefiro pecar com você aqui,
pecados de amor, nada de ser romântico, vamos seguir o extinto do corpo, ninguém é santo,
faço tudo que excita, o que te incomoda nunca deixe de lado, me fale, mudarei o jeito que faço
e assim, talvez consiga, intercalar meu corpo com a tua realidade, eu , você e o pecado da arte.

Tenho um desejo, e não conheço nenhum gênio, que possa realizar o que tenho aqui dentro,
meu pensamento não é tão forte assim, tento não me reprimir, mas acabo temendo, enfim,
me supero por conseguir tentar te transmitir, e o simples fato de eu ter tentado, me faz sorrir,

espero um dia eu, ter a oportunidade de expressar a realidade desse desejo, que é sem fim... 

sábado, 26 de outubro de 2013

Aquela tal sintonia...

Quase não me lembro de meus sonhos,
meus devaneios são ligeiros, lhe tenho,
e com apreço em você creio, te anseio,
há dias não te vejo, na verdade, nem te conheço.

Não conheço a mim mesmo, mas se eu for pensar,
conseguiria escrever por um dia inteiro, aconchego,
eu só encontro aqui, quando alinho a ti meu pensamento,
chegue mais, me de um cheiro, menina linda, eu te desejo!

Se passa o tempo, e ainda tenho você aqui dentro, penso,
sinto a brisa do vento, paraliso o tempo, afago uns dois tragos,
a fumaça do peito se esvazia, a respiração e a natureza em harmonia,
mas um louco em nostalgia, talvez nos encontramos nessa tal sintonia.

Por você, eu viro um cientista e tento inventar a formula da paz e alegria,
ao menos em nossas humildes vidas! Creio que saiba que você me inspira,
se não sabes, sinta essa tal sintonia, que liga a alma e conecta nossas vidas,
para o destino eu deixo um sorriso, enquanto eu estiver vivo, vou sempre dizer o que sinto... 

domingo, 20 de outubro de 2013

Sentir sem ti...


O que pensar quando se cansa de tentar,
imaginar que tudo na vida é fácil de consertar?
sair para viajar, ou viajar sem sair do lugar?
Eterna ironia que me assombra, deixe-me voar.

O problema é que minha alma não é de conversar,
necessita primeiro se apaixonar, ter tesão pra ficar,
conexão sem igualmente pensar, mentes a alucinar,
a natureza age em nós, pois não nos consideramos heróis.

Não existe um salvador, e sim pensamentos e sentimentos,
cada um escolhe o que vai criar por dentro,  isso eu aceito,
ser mau ou bom, ser do bem e do mal, o ser imoral e moral,
o destino é tudo para um ser humano sozinho, meu eu mental.

Sempre confuso, algumas vezes ao decorrer do dia, inseguro,
mas em pouco tempo, pouco temo o futuro, vem pro meu mundo,
não sou conhecedor de tudo, mas podemos aprender juntos,
todos os sentimentos em conjunto, unidos pela liberdade em tudo... 

domingo, 22 de setembro de 2013

Um louco qualquer...


Do que adianta existirem criticas sem construção?
Como se falar da razão expondo uma simples opinião?
Pensar em forma de poesia, alguns estão em demasia,
pensam, pensam, mas nada criam, não se modificam.

Tudo igual, tudo normal, o mundo do bem e do mal,
a calma que se torna monumento colossal, imaterial,
contraditória e banal, Surreal, alma em outro astral,
em busca do anormal vou errando, nesse imenso quintal.

Ratos no pensamento, pobreza e muito sofrimento,
minha pesquisa em mim mesmo,  a poesia e o tormento,
criação é alimento, e eu aqui, cheio de pensamentos vazios,
adquirir é questão de tempo e de duvida, então, construa.

Mantenha a postura, coloque a ignorância em uma catapulta,
dispare-a, e atinja o que te desestrutura, controle sempre a fúria,
sentimento de êxtase que causa tortura, proclame tua soltura,
conheça mais e adquira também sua mescla de variadas culturas... 

domingo, 8 de setembro de 2013

Neurose e plena insonia...

Em um dia acordado, vi outro amanhecer calado,
nos primeiros raios de sol observei gotas de orvalho,
despertei do sonho, estava três dias desacordado,
ao cumulo da loucura eu estava fadado , alucinado.

Brincar de ser soldado, colocar bombas em um carro,
ser objeto de destruição por simplesmente acreditar em algo,
psicopatia religiosa social e imoral, o mundo em caos total,
alguns lutam por liberdade, outros por instinto territorial.

O mundo sempre lindo e perfeito, com seres humanos falhos,
tudo é consumido, vendido, comprado, injustiça por todo lado,
e agora? O nirvana jamais será alcançado? Já estou cansado,
na pressão mental não é qualquer um que consegue se manter calmo.

Evolução da escrita até formas alienígenas, simples e pura poesia,
a arte de fazer versos, tanto faz o sentimento que esta expresso,
sentimento de amor, ou até mesmo a indignação como protesto,
pensamentos variados, mais alguns neurônios foram abençoados... 

sábado, 7 de setembro de 2013

Acrescentar e expandir, fundir...

Sentimentalismo suburbano, humano, sou bueiro, sou trapo de pano,
viver de modo sincero, o amor esta tão duro quanto o concreto,
já não sei o que é errado ou o que é certo, quando esta longe ou perto,
tanto faz a quantidade dos versos, sinceridade é o que sempre prezo.

Mentir faz parte, a verdade na vida se torna arte e o pensamento parte,
e lá se vai, pois o tempo não para, passa e repassa, diferentes pegadas,
varias estradas, endereços que de passagem a lembrança sempre afaga,
 mentalizando a paz que esta na alma, tirando a rebeldia e usando a causa.

Um pela poesia, dois pela rima, assim eu vou explicando sem melodia,
tentando harmonizar a minha vida, criando esperança em algumas linhas,
olhar o mundo sem ser fútil, procurar usar o cérebro para algo de útil,
falar e fazer, ler e escrever, isso faz tão bem, olhar para o céu e falar amém.

Vamos juntos, contudo e com tudo, eu conto tudo o que penso sobre o mundo,
a poesia vem da alma, sentimento que transparece o espelho e te mostra o avesso,
o mais puro desejo eu percebo, a felicidade  e agitação cerebral na hora do recreio,
fazer por amor, praticar o amor, seduzir por ser bom ator, mais sinceridade por favor...

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Fardos de fatos...


De caminhadas sofridas em busca de saída,
encontro entradas que no final são charadas,
tem começo, meio, e no final outra entrada,
assim disse-me a mente que vivi alucinada.

Quem dera esse meu ser pudesse ter teu ser,
e assim permanecer por mais de um amanhecer,
misturados como a agua e o sal do mar, se libertar,
poder saltar para onde a dor não possa nos alcançar.

O mundo não tem juízo, tudo é milimetricamente medido,
cada passo é guiado por algum instinto, pensamento intimo
humildemente aqui transmito, o que por tantas vezes eu sinto,
quebrando regras, substantivos trocados por adjetivos, ativos.

Finalizando o raciocínio, amigo, o amor esta virando mais um mito,
todas as formas de amar, quem sou eu para criticar ou repudiar?
penso em mais alguém e esse alguém não esta aqui para pensar,
sozinho, a mente ainda continua trabalhando o meu simples sonhar... 

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Até onde e quando?


Filho de um mundo perfeito, isso entendo e aceito,
mas com humanos falhos, e cheios de preconceito,
as asas da liberdade ficam presas em velhos conceitos,
a mente que fica muito tempo parada  não tem mais concerto.

Até onde vou? Até onde meu pensamento alcançar voo,
entre a lua e o sol, há sentimento mutuo nunca supérfluo,
sei, mudo fácil de assunto, não consigo ser muito profundo,
explicar para que? Se nunca vamos ter respostas para tudo!

Eternamente e estupidamente burro, ofensas em acumulo,
crescer no subúrbio, ser animal em meio aos arranha-céus,
tem gente que cita o nome de um Deus o julgando como cruel,
guerras por paz ainda estão em alta, neurônios em guerra armada.

Injeção de conhecimento para a mente não poder ter medo,
marchar em sonhos, guerrilhas de santos por pedaços de panos,
todo egoísmo das pessoas do mundo vazando por todos os cantos,
para resolver o problema, medite, ou escreva, que tua alma aconchega...

Quem dera...

De uma noite mal dormida, de um pesadelo que oscila,
acordo e dou bom dia ao dia, logo procuro a maresia,
e quando a encontro, logo escuto a afinada sinfonia,
que toca e faz vibrar, te impressiona com a sensação de flutuar.

Quem dera eu ter, ser! Quem dera eu ter o dom de ser profundo,
quanto mais explico, mais me confundo, eu sei que não sei de tudo,
conhecimento vem com o tempo, se tira do vento, de olhos atentos,
conhecedor da felicidade e lamento, detento do próprio pensamento.

De desenhos crio amor, de rasuras crio um coração imaginário e saio,
busco o horizonte indo verticalmente, contrariando regras e vertentes,
quebrando as barreiras da nostalgia, depressões de minutos são ausentes,
nada quero com dinheiro, de papel quero mais livros, poesia e sentimento,

Eu creio, um dia os pensamentos vão virar atitudes livres, alforria do tempo,
minha mente, menti, mas sente que tudo é nada, desejo mais calma na alma,
paro e penso, como posso parar um pouco o tempo? Meditando em um templo?
No fim, vou chegar a um dia de agonia para analisar o que meus feitos puderam mudar... 

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Centro de observação mental...

Um tempo para tragar, outro tempo só para pensar,
desiludida forma de amar, onde estão as asas para voar?
sonhos que se perdem, lembranças de varias preces,
em versos os sentimentos transparecem alguém que o conhece.

Passos fora de compasso, do certo para o errado, vagabundo alado,
falante, as vezes calado, sentado, raciocínio rápido, desenfreado,
nostálgico, lembrei do tempo de criança, sinto um leve cheiro de talco,
do palco da vida eu salto, meu anjo me faz voar mais alto sobre o planalto.

De lá vemos a cegueira da ganancia mantando coisas simples do tempo,
a vida social gira em torno do dinheiro, conspirações o tempo inteiro,
guerras entre crenças, fome, miséria e malevolência em alta frequência,
religião contra ciência, em quanto na mesa falta comida e a esperada sobremesa.

Mundo de criticas, elogios falsos, invejando à forma do outro de ver a vida,
busque a felicidade, crie alternativas, sua mente é a arma para a verdadeira nostalgia,
nada mal pode abalar a alma de quem vive da vida uma aula, destrua sua jaula,
olhe para as estrelas e veja quem o mundo saudá, reveja sentimentos que te faz falta...

terça-feira, 30 de julho de 2013

Medidas de amor, poeta ou auto orientador?


Pensamentos, às vezes você está aqui dentro,
abro os olhos e não te vejo, ainda esta aqui dentro?
ligeiro, fumaça sobe e mesmo assim sinto teu cheiro,
imaginação transmitida por quentes e suaves desejos,

Coordenação total, cerebelo trabalhando em nível anormal,
a erva da emoção tem satisfação de transmitir meu coração,
assim, com você tudo na mente tem sentido e pura razão,
cegueira do amor, catarata de sabor e dor, piração do meu eu ator,

Inteligentemente idiota, nada do que eu fale muda tua historia,
minha mente é bem diferente do que tem aqui fora, isso sufoca,
sozinho em um quarto fechado, expandindo a mente até a aurora,
imagino a gente sorrindo em um mundo nada parecido com o de agora.

Mais um verso, talvez o ultimo, ou talvez só mais daqueles confusos,
nada mais comum eu falar como um ser do submundo, mas, contudo
o tudo é nada sem ter você ao lado pra dar boas risadas, natureza farta,

um chá da tarde, o pôr do sol sobre nossos olhos, no paraíso ilusório... 

segunda-feira, 29 de julho de 2013

O lado que vejo, não te interessa...


De tanto que eu penso, quase enlouqueço,
e adoro, neurônios iguais explosões de fogos,
pensamentos coloridos no mundo cinza e submisso,
desiludido, pregando justiça, seguindo os instintos.

Somos jarros com barro, cada um fertiliza o que acha sábio,
as regras humanas atrapalham, em tudo ao redor tem descaso,
fatos certos que são errados, humanos santos e endiabrados,
paraísos e infernos em rostos pálidos, cérebros que são cascos.

Não matarás, não terá paz, negativo pensamento que o dia traz,
do que se faz o passado se não somente do que agora eu faço?
Tristemente a felicidade bate na porta, neurônios em lagrimas se afogam,
sozinho com o mundo, a alma se liberta e sai com o verdadeiro lá fora.

Terminar o que não tem fim, se não for por mim, vai continuar mesmo assim,
enfim, ninguém sabe de tudo, tem gente que tem medo do mundo, absurdo,
medos, desejos, apegos, desapegos, a vida e seus segredos, revelações e receios,

um mundo de Deus, Jesus, Diabos, Demônios e vários humanos ignorantes e falhos...

domingo, 21 de julho de 2013

Sem egocentrismo, pensamento critico...


Se perdendo dentro de um mundo de documentos,
leis, artigos, processos, multas e todo o tipo de veneno,
cada dia é mais um, nada muda de verdade, psicodelia,
e não é qualquer mente que segura toda essa longa brisa.

De noite ou de dia, queria eu fazer de tudo eterna nostalgia,
por anos tentei crescer e realmente cresci sem perceber,
que as nuvens são a beleza dos olhos de todo ser que quer as ver,
maldito e pensante ser, problemas que vou ter até envelhecer.

Complica, mas não explica! Mania de sabedoria, ignorância atendida,
o mundo do preconceito é detento de um sistema cinzento, fique atento,
a poesia vem de todas as formas, raiva, ódio, dor e muitos lamentos,
é nas derrotas que nos fortalecemos, nisso eu boto minha fé e creio.

Inexplicável e sem forma é o que te contorna, nada mais me apavora,
caminho livremente por todos os lados da aurora, não importa a hora,
se está lua ou sol lá fora, vamos embora, neurônios em corrida eufórica,
de tudo eu nem vi nada, estranha e eterna charada, eterno jogo de cartas...



quarta-feira, 5 de junho de 2013

Preso pensamento...


Sensível e tão brutal, folha seca voando no vendaval,
um murro, dor de alguns segundos, amor e ódio absurdo,
em fusão com o fuso, confuso com o tempo e o mundo,
distante de tudo, pulando muros, barreiras do submundo.

Um velho que se faz novo, e de novo por horas se torna velho,
como um único e infinito universo, resposta para um dia de tédio,
eu atesto, crio utilidade com o que detesto, aproveito do resto,
amor é sexo, putaria em excesso?  Preconceito contra protestos.

Falando ou escrevendo, pensando ou até mesmo lendo bem lento,
sinto que não sinto nada, meu coração esta frio como uma nevasca,
perdi tempo pensando em palavras, mas as rimas nunca ficam travadas,
leves como o vento, rápidas como o tempo, são as linhas do pensamento.

Escrever um livro e depois rasga-lo, viver sem se importar com semanas e horários,
momentos trágicos, escrevendo com um pedaço de tijolo velho e quebrado, saco!
Mais um mês dentro de um buraco, perdido olhando para todos os lados do quadrado, fazendo círculos com os olhos, tentando enxergar o que todos pensam que é errado... 

terça-feira, 4 de junho de 2013

Um tempo para parar o tempo...


Perdido em dolorosos segundos,
ser um nobre ou um vagabundo?
O que significa ser alguém no mundo?
Será que há alguém olhando mesmo tudo?

Perder a fé, e se abrigar para não brigar,
deixar de tentar ser e finalmente mostrar,
fique feliz, nunca vai ser pecado chorar,
sinta o prazer de ser nada, mas com a alma.

Uma simples luz, como um simples conselho,
as estrelas refletidas no espelho de seus olhos,
lavados por ódio e dor, curados com o perdido amor,
guerras que proclamam a paz, morte para os leais.

Se tudo fosse como num sonho, acordar seria morrer,
abrir os olhos e ver tudo desaparecer sem você ter,
escapar do irreal, e ver que o mundo é um total absurdo,
buscando sentido, aguçando os instintos, a morte traz o mito...






segunda-feira, 8 de abril de 2013

Delicioso desejo...



Uma explosão de desejo deve ser o que creio,
mas como creio em algo que ainda não tenho?
e se tive, eu não soube tratar-lhe com apego,
um toque, um arrepio, excitação e desespero.

Um coração batendo, latejando por puro e simples desejo,
uma noite, um dia inteiro, eu e você, o lençol e o travesseiro,
o suor de nossos corpos, a excitação que causa delicioso cheiro,
aroma de pecado,  nossos corpos unidos, e totalmente entrelaçados.

Um simples orgasmo, inesquecível forma de te ter por total, por inteiro,
unidos como flores de um jardim aos cuidados de um carinhoso jardineiro,
onde fico perdido, e me encontro em teus seios, mordendo, e te lambendo,
um animal eu sou quando penso em você nua, e a excitação ainda continua.

Quem sabe por horas esquecemos o mundo com o tesão de alguns segundos,
talvez possamos mudar o mundo, com apenas toques, com orgasmos múltiplos,
não tem tanta graça fazer amor no escuro, mas da pra sentir tamanho absurdo,
perderei a consciência, mas farei quase tudo, onde o quase será mais que profundo...

sábado, 6 de abril de 2013

Normalmente é assim...



Nos sonhos nem tudo é claro como o dia, irradia,
de olhos fechados senti teu beijo, bela heresia,
com os olhos pregando de uma noite mal dormida,
esperarei por ti eternamente todo o tempo de uma vida.

Do medo mais comum, tirarei a morte como um exemplo,
descartarei tudo o que não me traz apego, aquele aconchego,
como criança em berço, sozinho, sem noção do que é tormento,
esperando por abraços, palavras que contenham sentimentos.

Não sou o que tu queres, mas quase certeza que é excitação em devaneio,
mentiras convivendo com verdades, esperando caírem na vala da realidade,
sofrer faz parte, tristeza sempre foi o sentimento que traz força para dentro,
ter medo de sofrer e também do fim, ter medo se no final a palavra não for sim...

Esqueça o que quis dizer para ti, só sinta e não minta uma noite em sintonia,
é o que esse ser necessita, um humano que o pecado sozinho administra,
a dor não é nada quando não se consegue senti-la, a raiva também contamina,
A doença do amor não se cura tão rápido como se passa as horas de um dia...  

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Ansiosa loucura...



Num dia te sinto, noutra noite minto,
enrolados e apertados com o destino,
queima, mas não arde, evapora à tarde,
a mente baseada com um baseado é arte.

Um enfarte em um coração que não bate,
não soa som algum, mas a melodia invade,
estranhamente é a mente que cria alarde,
preocupa-se com duvidas e meras vaidades.

O preconceito foi feito para os covardes,
aceitar o que não te agrada, isso faz parte,
abrir a mente e olhar o coração, esqueça a razão,
olhe a bondade, mostre isso para toda a humanidade.

Sinto pena do mundo, por conviver com tanta barbaridade,
hoje é assim, amanhã um ponto final pode ser nosso fim,
não sejas ruim, tente imaginar o que te deixa mais feliz,
olhe com os olhos de criança e não achará nenhuma cicatriz... 

sábado, 30 de março de 2013

O que diziam da tal felicidade...



Minha vida inteira procurei,
e quando encontrei eu deixei,
cresci, vivi e morri, eu só sorri,
chorei por um dia poder sentir,

Curto, mas sincero, longo e quieto,
sou eu e meus simples mistérios,
um escritor sem nenhum privilegio,
o tempo é sensível como um pequeno inseto.

O céu chora, a chuva vem sem demora,
e molha, transborda vida em memorias,
que um louco conta em singelas estórias,
neurônios que nunca vão aceitar derrotas.

Tão pouco de um muito, me sinto confortável no escuro,
de olhos fechados eu entro em meu mundo, tu és meu tudo,
um dia, quem sabe? Amanhã! Ou talvez depois desse tal dia,
eu possa saber traduzir novamente o sentido de nostalgia... 

sábado, 9 de março de 2013

Silencio barulhento...



É no silencio que encontro a solução,
melodia no pensamento e emoção,
surge poesia, surge a palavra coração,
definitivamente no que se define a razão?

Perdido no escrito, no que ainda nem foi dito,
raciocínio critico e orgulho mesquinho, mas finito,
errando se acerta, ou quebra a cara e sai da reta,
ninguém é especial, então vou ser um ninguém letal.

Quem não pensa passa mal, atrofia a mente, um boçal,
a perfeição nunca existirá, nem por isso tente se matar,
os erros que deram certo faz a vida finalmente findar,
imaginar nadar em todo o mar, voar todo universo estelar.

E no silencio faço calmo show para os neurônios pensarem,
para que eles um dia possam evoluir e pessoas agradarem,
uma jornada, caminhada, que com fé será finalmente alcançada,
sem motivo, sem distancia, só pensamentos em certa constância...

sexta-feira, 8 de março de 2013

Aquela paz...



E quem diria que nada imortal seria,
a criação é como uma linda melodia,
neurônios em euforia, buscando sintonia,
neutralizando parasitas de nosso dia a dia.

As coisas que aprendi, já foram há tempos ditas,
tudo que desconheço alimenta minha humilde vida,
vontade de descobri-las, a morte vai chegar um dia,
e para ela guardo todos os sorrisos e lagrimas misticas.

Uma parte de minha mente nem te sente, a outra é dormente,
duas partes que brigam, a inteligencia é orgulhosa e distinta,
domina o ser faminto, por algo novo e que faça total sentido,
alguns enlouquecem, tiram a própria vida e a alma é extinta.

O tempo para sim, mas para você que para no conto do tempo,
evolua e procure fazer evoluir, pensamentos que me façam sorrir,
ditas palavras que sejam felizes e fortes, respeito não é ter sorte,
não é ser medroso, muito menos corajoso, é ser um ser bondoso...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Tempo livre...


Andando descalço eu realço,
o sintoma da liberdade calço,
amor e odio lado a lado, passos,
compasso, sincronizados laços.

Suas mãos de anjo me curaram,
tornei-me mais calmo, um oraculo,
nunca precisarei fazer varios calculos,
a vida é uma eterna surpresa e isso é fato.

Não adianta criarem novos obstaculos,
com eles a vida vira um belo espetaculo,
onde a dificuldade é reconhecida com aplausos,
um simples rosto palido, com medo, mas encorajado.

Desejo ter desejos, sonhos calmos com apegos,
carinhos feitos por pessoas sem preconceito,
onde tudo é carne, tudo é vida e tudo é pecado,
onde todos andam pelados, paraiso almejado.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Corpos entrelaçados...



Nada de palavras difíceis, somente sexo explicito,
de quatro ou de lado, tanto faz gerando orgasmos.
Subindo e descendo a língua, prazer e muita saliva,
de lábios para lábios, gemidos dentro de um quarto,
aberto de todos os lados, para que vejam nosso pecado,
esta consumado, no fim nossos corpos todos suados.

A excitação veio de um simples sorrir, de um simples sim,
tocando a melodia do corpo, arrepiando até o pelo do rosto,
um imã e amuleto, eu gosto do que tem por cima de teu esqueleto.
Teus olhos, teu beijo em meu peito, chupando-os com desejo,
não interessa se foi só sexo ou foi com apego, só sei que saciou o latejo,
a flor da pele, o beija flor consumiu como um morcego, sangue intenso.

O domínio foi dominado por dor, sabor de sal em ferida ardente,
tudo aconteceu tão de repente, uma noite, uma visão criou a serpente.
Pecado de amor, sabor, em tantos outros sonhos eu sempre fui professor,
um eterno pecador, que teve que tirar da dor o prazer de ser conhecedor,
analista de sentimentos, sexo? eu lhe garanto que faço tudo para satisfaze-los.
Se me pedir até te chicoteio, bato na tua cara e puxo teus cabelos...  

Pensamento morto...



Somos apenas carne apodrecendo,
a alma não é um simples brinquedo,
como podemos deixa-la com medo?
A morte é apenas um eterno devaneio,
onde a dor física acaba e nada mais sabemos,
o dono da razão não controla os pensamentos.

A ponta de uma faca já foi meu maior desejo,
um pedaço de chumbo já passou perto de meu peito.
Morrer é tão fácil, mas quem pode controlar sentimentos,
a vontade de viver entra em contradição com os elementos.
A alienação de mentes, tapando a visão com suas lentes,
com noticias de mortes e acidentes, felicidade indecente.

Ibope para os "crentes", aqueles que sobrevivem controlando sua mente,
Aqueles que te condenam ao inferno, aqueles que se acham mais certos,
Onde o correto, é trabalhar, ter uma família, roupas boas e ficar sempre quieto.
Egocentrismo, ateísmo, vários sentimentos que geram belos e sinceros livros,
paginas de conhecimento, onde Deus é uma simples palavra para nossos desejos.

Fé e pecado são palavras que não tem o mesmo significado, mais andam lado a lado.
A podridão da mente não tem cheiro, não é vista por qualquer olho alheio, eu creio,
os íntimos pensamentos viram desejos e com isso a bela forma do mal vira espelho,
você se enxerga e senti medo, o mesmo medo que te encorajou te traz desespero,
eu tento escrever coisas lindas, mas tem dias que as rimas ganham linhas sinistras,
e o pensamento segue a risca o que eu tenho em meu córtex e vou vivendo poesia... 

domingo, 13 de janeiro de 2013

Parasita do paraíso...



Como um  corte profundo,
sou uma das feridas do mundo,
totalmente confuso, não surdo.
Ouçam a bela melodia do dia, 
que vira noite, que vira poesia,
que finca, na mente causa heresia.

ultimamente eu só falo intimamente,
mas minha mente não é de um crente,
o que atrapalha o sorrir, mostrar os dentes.
O que creio me traz paz, só isso me satisfaz,
sou um pobre rapaz, sagaz e creio que serei capaz,
de decifrar todos os jamais que o tempo me traz.

Errar é humano, mas persistir no erro é insano,
sem falar de Fulano e  Beltrano, sem armar planos,
deixar rolar se o assunto é sobre santos, sem espanto.
Nem Deus, nem anjos, somente eu e minha alma em pranto,
silenciosa beleza emiti as estrelas, as nuvens e a lua cheia,
beleza até mesmo na teia que a dona aranha agora mesmo desenha.

Mas uma noite afora se aflora, com os desígnios do senhor destino,
criando contos, criando mitos, vivendo do simplício, o ócio é exercício,
a  mente embaralha, desembaralhar escrevendo é o meu grande vicio.
Penso muito, mas faço pouco e agora quem vai dar perolas ao porco?
O tempo só é tempo quando aproveitamos o lado certo da brisa do vento,
onde o paraíso é um belo e grande berço, onde o natural é normal entre os dedos... 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Encontrando a explosão do nada...



Eu quero paz rapaz, saturar jamais,
criar um modo de voo e salvar Satanás,
tirar do abismo o céu que ali estava caído.
Mas sou humano, ser profundo e insano,
pecador que não chora mais pelos cantos,
direto e reto, se eu quebro, vou e conserto.

perdoar o incerto, o inexistente vira verso,
e assim a mente segue rumo ao progresso,
onde o mundo anda de costas, cheiro de bosta,
a natureza prega peças aos que geram discórdia.
Aqui não é lugar e o ali já não esta afim de existir,
o que é mesmo sorrir? Nem adianta mentir pra mim.

Calado eu jogo dados, azar nos seis lados de um quadrado,
assim sou eu desastrado, não sei ser bom moço requintado.
Mas e dai? Do que você esta afim? se tornar parte de mim?
O perigo é que da medo, e o medo te da coragem sem fim,
a sua escolha vai te dizer como é ser bom homem ou ruim,
chega, chega de lorota, não vou permitir minha própria derrota...

Baseado na aurora, o aroma, a fumaça seu belo rosto contorna,
te beija e na mente invade, fica colorido, a cor do amor, a cor do vicio.
Invisível, nada demais e sem compromisso, alto astral para o delírio,
vamos de asas ou com os pés? A mente é livre, faça o que tu quiser.
Se me disser, é só eu não ouvir, já te disse, nunca vamos desistir, 
Todos meus "eus",  para ti dizendo adeus, existe somente um Deus?!...